Ah! Se eu soubesse por quê.

 

Às vezes , acontece
sem eu querer,
a minha alma entristece
até não mais poder.

Porque deixou assim ficar
Anos e anos sem se importar?

Ah! Se eu soubesse por quê
talvez bastasse um pranto,
bem dolorido bem chorado,
um pranto despudorado.

Nunca estive tão triste!
Nunca estive tão só.

Ah! Preciso antes de tudo,chorar o silêncio injusto,
o descaso mudo preciso chorar,
a taça do abandono contínuo
preciso esvaziar.


Ah! Senhora errou.
Eu sou uma e
levo a vida a ser muitas.

Eu existo,
normalmente, alerta,
mas hoje, estou deserta.
Dentro de mim faz tanto frio.
Estou por um fio,

Se eu tivesse a grandeza
de esquecer teu gesto,.mas não.
Eu luto e enlutada eu protesto;
“Que mãe é essa?”
O tempo passa,
a dor passa,
a vida passa,
o abandono, não !!!



Delurdes Moraes

 


Voltar ao menu poemas/texto

Voltar á página inicial